Notícias

 

Competir x Colaborar

Matéria publicada no site Saber-se

“Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim…”

A chamada “Síndrome de Gabriela” descreve bem uma geração que se orgulhava desse jeito de ser, onde competir era a palavra de ordem. Reter conhecimento para sair na frente e ganhar o topo era o lema.

Não cabe mais nos dias de hoje tal comportamento; a mudança é inevitável e exige de nós comprometimento.

A chamada Geração Y, responsável por toda essa reviravolta no mundo, está mais antenada na partilha sem medo de ser feliz, por entender que, se um ganha, todos ganham, e a colaboração passa a ser parte importante desse processo.

Por meio das redes mundialmente interligadas passou-se a dividir saberes, experiências; logo vieram os serviços e uma onda gigantesca de startups, empresas predominantemente de jovens idealizadores a dividir Ubers, escritórios de coworking, cooperativas e etc…

Como conciliar, então, essa filosofia de vida mais tolerante e solidária com a crise financeira, moral e ética instaurada? Vale a reflexão.

Patrícia Mesquita, psicóloga

 

Hora de Colaborar x Hora de Competir. Você diferencia? Leia mais.

 

ORIENTAÇÃO PSICOLÓGICA ONLINE É SOLUÇÃO PARA EMBARCADOS

Artigo publicado na Revista Intermarket (set/2014)

Na tentativa de reduzir o impacto negativo de se trabalhar embarcado – por longos períodos – em plataformas de petróleo e navios, muitas empresas e profissionais estão recorrendo ao aconselhamento com psicólogos via internet.

Graças ao avanço da tecnologia, os trabalhadores dos setores offshore e de navegação marítima contam com acesso a internet via conexão de banda larga por satélite de dentro dos navios cargueiros e plataformas em alto mar.

A orientação psicológica online se difere de uma psicoterapia presencial, pois trabalha questões pontuais de forma breve e focada. Segundo a psicóloga Patricia Mesquita, "o objetivo é cuidar de queixas específicas como solidão, estresse, ansie- dade, medos, conflitos emocionais, mudança ou adaptação ao emprego, problemas conjugais, entre outros".

O atendimento psicológico é realizado através de e-mail ou pelo Skype, por texto, voz ou vídeo, e são previamente agendados com os psicólogos. A recomendação é que o paciente sempre procure realizar as consultas em um lugar reservado – como a sua cabine no navio – e em computadores seguros, para garantir a privacidade da consulta e das informações.

Sobre o fato de que a prática deixa de lado alguns elementos tradicionalmente analisados em consultas psicológicas, como gestos e linguagem corporal, a psicóloga Patrícia explica que o objetivo da terapia online não é transferir o formato presencial para o virtual, mas construir aos poucos um ambiente virtual que possa acolher pacientes que estejam impossibilitados de ir até o consultório.

É importante notar que o CFP limita esse tipo de encontro a 20 sessões, de acordo com a resolução mais recente sobre o assunto.

A psicóloga Patricia Mesquita é membro da Sociedade Internacional pela Saúde Mental Online e autorizada pelo Conselho Federal de Psicologia e prestar este serviço. Interessados podem acessar o site www.patriciamesquita.com.br.

Cabeça no lugar para encarar o Desafio

Artigo publicado em 24/01/2014, no site Desafio do Jec

O Desafio do Jec está me proporcionando muita coisa legal. Espero estar conseguindo dividir isso com vocês. Hoje, gostaria de apresentar mais uma pessoa que topou me acompanhar neste Desafio. Trata-se da psicóloga Patrícia Mesquita.

Quando convidamos Patrícia para participar, tínhamos em mente a necessidade de discutir alguns temas que, muitas vezes, não são levados em consideração em iniciativas desta natureza.

O fato é que vivemos em um contexto social que nos exige cada vez mais, o que gera ansiedade e estresse. Aliás, foi exatamente uma crise de estresse que me alertou sobre a necessidade de mudar meus hábitos. Na época, janeiro de 2009, eu pesava 110 kg, era totalmente sedentário e minha auto-estima andava lá embaixo.

Por outro lado, quando consegui superar esta fase, emagreci 30 kg e voltei a ser fisicamente ativo, fui tomado por uma euforia sem tamanho. Achava que podia tudo e que meu corpo aguentaria toda a pressão física que eu colocava sobre ele.  Vieram as lesões e os pés voltaram a tocar o chão: eu não era um super-homem.

Entender estes processos mentais e emocionais é muito importante, seja para tirar a pessoa do sedentarismo, seja para mantê-la praticando seu exercício físico sem frustrações.

Outro aspecto que discutimos, foi a importância de observar meu comportamento enquanto atleta amador, que participa de provas em que a preparação mental é tão importante quanto à física. Como isso se reflete no meu dia-a-dia? Será que o esporte pode se transformar em outro fator de estresse?

Enfim, Patrícia chega para somar com toda a equipe. É a primeira vez que tenho o acompanhamento psicológico na preparação para o Ironman. Tenho certeza que, juntos, aprenderemos muito. Estou certo também, que ela poderá dar dicas importantes para você escapar de ciladas que possam atrapalhar seu Desafio.

Com vocês, as boas vindas de Patrícia Mesquita:


A escolha é sua e de mais ninguém.

Boas vindas aos corajosos que ousaram se comprometer publicamente com seus próprios desafios.Esse é o primeiro passo, a tomada de consciência da necessidade de se superar, de se desafiar a cada dia.

O segundo e mais difícil é dar continuidade a esse processo. Como? Sendo responsável diante da escolhas que fez. Lembre-se: o Desafio é seu! Apesar de poder contar com a força do Jec e com a orientação de seus parceiros. Então, não se sabotar é parte fundamental dessa caminhada.

Sei que é difícil. E quem disse que seria fácil? O nome disso é DESAFIO ( batalha para conquista de algo), saúde, bem estar, beleza…então bora lá!

Diz uma fábula, sobre envolvimento e comprometimento  que em um café da manhã a galinha está envolvida porque doa seus ovos, mas o porco
está comprometido porque doa sua própria vida (bacon). E você está de quê nesse desafio?

Buscar a cumplicidade de quem compartilha dos mesmos interesses é uma forma de se motivar.

Boa caminhada pra nós e até a próxima!

 

Patrícia Mesquita
Psicóloga
CRP 05/17582

 

Curso sobre orientação psicológica online

 

Papo sério na rede… Ou orientação psicológica online

Publicado em 30/04/2013, no site M de Mulher, o portal da Mulher brasileira - Editora Abril

A comodidade de ser atendido em casa ou no escritório, sem precisar enfrentar trânsito, vem impulsionando os serviços de orientação psicológica online. Pessoas com uma agenda apertada, com dificuldades de locomoção ou que estejam morando no exterior estão procurando cada vez mais estes serviços.

A orientação psicológica online se difere de uma psicoterapia presencial, pois trabalha questões pontuais de forma breve e focada. Segundo a psicóloga Patricia Mesquita, “o objetivo é cuidar de queixas específicas como estresse, ansiedade, medos, conflitos pessoais e conjugais, crises de relacionamentos familiares, dificuldade de adaptação a um trabalho no exterior, sem aprofundamento e amplitude característica de uma sessão psicológica presencial. Em um mesmo dia, é possível atender uma paciente que esteja na casa de praia, fazer avaliações de emprego para uma empresa em Brasília e atender paciente na Argentina”.

Mas, atenção: verifique sempre se o site do profissional possui o selo do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que reconhece esse tipo de atendimento desde 2005. O CFP é o órgão responsável por credenciar e aprovar profissionais para orientação psicológica mediada por computador. Antes de contratar um psicólogo, verifique se o selo está visível no site.

A recomendação é que o paciente realize as consultas em lugar reservado e em computadores de sua confiança, para maior segurança quanto às informações registradas. A sessão online não deve ser feita a partir de uma lan house ou biblioteca pública.

Os atendimentos são previamente agendado com o psicólogo e realizados através de e-mail ou Skype, onde a interação se dá por vídeo, voz ou texto. Os valores variam de profissional para profissional. Segundo a resolução do CFP nº 011/2012 (artigo 1 inciso I) só devem ser realizados até 20 sessões.

Fonte: Patricia Mesquita – CRP 05/17582 – tel. (24) 9959-6866.

 

Atendimento psicológico na web: já existem sessões de orientação online!

Publicado em 17/05/2013, no CanalTech

Ao invés de facilitar nossa vida, o mundo moderno às vezes parece encurtar o tempo que temos disponivel para tarefas diárias. Isso é particularmente verdade em grandes centros urbanos, onde a rotina de trabalho, o deslocamento de um lugar para o outro e a grande quantidade de informação ao nosso redor costumam sobrecarregar nossos nervos, levando até ao stress, algumas vezes.

Nessas situações, muitas pessoas buscam algum apoio através de aconselhamento com psicólogos, na tentativa de reduzir o impacto negativo desta correria ou de outros problemas pessoais. Ainda assim, muitas vezes fica difícil para encaixar mais uma atividade, mesmo que benéfica, na rotina.

O aconselhamento psicológico online é uma realidade relativamente recente, aprovado pela primeira vez pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) em 2005. Mas com o avanço do número de usuários da internet no Brasil e da banda larga, que permite conexões melhores via web, está ganhando cada vez mais espaço. "O aconselhamento psicológico online é recomendado e reconhecido pelo Conselho Federal de Psicologia, mas apenas para tratar problemas específicos, de forma breve e focada, como conflitos emocionais, mudança ou adaptação ao emprego, estresse, perda de um ente querido, problemas conjugais, entre outros", explica a psicóloga e membro da Sociedade Internacional pela Saúde Mental Online, Patrícia Mesquita.

O atendimento é geralmente realizado através de e-mail ou do Skype, por texto, voz ou vídeo, e são previamente agendados com os psicólogos. A recomendação é que o paciente sempre procure realizar as consultas em um lugar reservado e em computadores seguros, para garantir a privacidade da consulta e das informações.

Sobre o fato de que a prática deixa de lado alguns elementos tradicionalmente analisados em consultas psicológicas, como gestos e linguagem corporal, Patrícia explica que o objetivo da terapia online não é transferir o formato presencial para o virtual, mas construir aos poucos um ambiente virtual que possa acolher pacientes ligados à tecnologia e ávidos por praticidade, independentemente de onde estiverem.

Para Luiz Berni, do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, o atendimento online, principalmente no caso do e-mail, recupera outra dimensão importante para o tratamento psicológico, que é a da escrita. "Isso exige uma capacitação diferenciada por parte do profissional. Assim, embora se perca a corporalidade, ganha-se a perenidade da informação perpetuada pelo texto escrito", afirma.

Berni explica que, no entendimento do CRP, as abordagens online são consideradas tão relevantes quanto quaisquer outras, e que pacientes revelam bem-estar assim como nos consultórios presenciais. "Entendemos que, nos próximos anos, deverá haver uma expansão do campo na medida em que mais pessoas começam a partilhar do ciberespaço", diz.

Ainda assim, o psicólogo atenta para as mesmas questões de restrições para o atendimento online, que não é indicado para qualquer caso. "Os estudos científicos realizados, principalmente fora do país, indicam que o trabalho on-line não é indicado para casos graves que possam precisar de um atendimento presencial e que possam exigir um acolhimento especial", explica. Além disso, é importante notar que o CFP limita esse tipo de encontro a 20 sessões, de acordo com a resolução mais recente sobre o assunto.

© 2012- 2019 Patricia Alves de Oliveira Mesquita. Todos os direitos reservados.                             Contato: atendimento@patriciamesquita.com.br

Produzido por Themaz Comunicação.